segunda-feira, 19 de maio de 2008

eu ando de bicicleta













eu ando de bicileta...
e queria coragem para surfar...

Andar de bicicleta é um ato de equilíbrio e liberdade.
Muitas variáveis podem me desequilibrar e me jogar ao chão e eu quero ter o controle do espaço e do tempo.

Minha vida é cheia de “ses” e eu vivo tentando me livrar deles

Mas tenho que esvaziar a mente para que o caminho me escolha e eu não seja atolada em mais um “se”...
E quando ando de bicicleta tento me soltar da visão de cineasta, do travelling, da visão objetiva e entrar no quadro...

Então, algumas vezes acontece quando sinto o vento, as pernas doendo, ouço o som e sinto a chuva e solto as mãos...

Embora o pensamento esteja trabalhando o tempo todo com as metáforas em que me comunico comigo mesma, pois se não, a sensação não se transforma em percepção que não se transforma em aprendizagem, que não se transforma em conhecimento e blá blá blá...

Então não ultrapasso o tapete bordado que recobre o real...

E pedalo na Internet e vagueio pelo espaço virtual, mas não é por ali que a experiência acontece,
mas as reações em camadas, as texturas e as relações criam realmente um espaço-tempo diferente e eu estou lá, como quando da minha relação espaço-temporal enquanto ando de bicicleta...

Não é possível ficar pensando, nem me separar da bicicleta, do asfalto, do ar ao redor, as pernas que não são minhas, pois não as possuo, sou estas pernas e o movimento que interage com tudo ao redor e dentro...

A espiral...

Nesse momento sou criada pelo movimento e crio com ele, com a totalidade ao redor e a realidade que se move junto comigo...

Nenhum comentário: