sábado, 24 de maio de 2008

na rede











me recupero do excesso e da falta...
ontem era um zumbi semi morto...
hoje a vida volta pros meus olhos e a cor pro meu rosto...
no ponto do ônibus volto a olhar o mundo e sempre me surpreendo em como gosto de ver as pessoas, mesmo o homem chato que fala sem parar com o vendedor de vale-transporte sentado em uma mesinha descascada de metal amarelo e que evita olhar pro homem chato...
entro no ônibus e me desligo...
olho em travelling a paisagem de inverno da minha feia bonita praia de camburi,
suas castanheiras em pinceladas grossas impressionistas, como se vistas por detrás de uma janela de vidro molhado, em cores que vão do verde escuro ao vermelho intenso, passando por uma cor de fogo vivo sobre o céu azul...
no movimento do ônibus, eu vou e elas vêm, seus galhos, estruturas trançadas como os fios da memória de nossos três últimos dias, que agora tento tecer em uma vã tapeçaria delirante de penélope que espera, sempre espera...
do outro lado pessoas dormem na calçada em frente a um bar fechado...
meninas rebolam e os gringos olham...
percebo então que a voz, zumbido constante na minha mente, era só o cara chato que agora perturba o cobrador com cara de poucos amigos ou nenhum, olhar vidrado no horizonte quadrado de sua janela de cobrador...
entra uma perua com sua bolsa mondrian de vinil brilhante, saida de algum filme de ficção científica da década de 60 e outra passa na roleta, morena bonita e gostosa com uma blusa de rede branca que me arremessa para outras redes na pesca da minha memória insana, as redes da exibição em rede e na rede... o arcaico e a tecnologia... a invenção da eletricidade...
os vários caminhos da imagem e da memória... daqueles que amam fazer, amam mostrar,
amam estar juntos na celebração coletiva da criação humana...
e nós dois no mesmo balanço dessa rede imaginária tecendo o fio da memória e do encanto,
do futuro e do passado... nos amando embalados por sonhos de rede branca...
adormecidos enroscados como filhote de bichomanso,
que só quer carinho de mãe pra todo mundo ser feliz na grande rede colorida da humanidade...

beijos em rede

15/07/04

Nenhum comentário: