quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

ipês e koyanisqatsi

10/09/2008

E a cidade está tomada de ipês rosa, daquele rosa claro que eu mais gosto. Também tem daquele rosa mais escuro, mas eu não sei se aquelas árvores também são ipês. Do branco, só vi uma perto da minha casa em uma rua transversal, ela estava linda, feito noiva virgem do interior. Passei por lá todos os dias enquanto ela estava florida com minha bicicleta, só para olhar de baixo pra cima o contraste das flores brancas contra o céu azul da minha linda, mas seca cidade, onde não chove há tempos... e quando começar a chover posso imaginar o estrago que será.
Mas hoje deitei depois do almoço, fiz a siesta e me veio a sensação de verão, aquela sensação de calor misturado com o frescor após a chuva e eu me senti em Barra Nova, quando dormia depois de comer, depois de passar horas debaixo do sol, nadando e catando mexilhões e o corpo banhado, ventilador ligado, o barulho da chuva vespertina lá longe, o sexo e o sono... embora meu companheiro daqueles tempos parecesse só gostar de sexo à noite antes de dormir e perdia grandes lances, é claro... mas tiveram outros verões, outras praias, outras chuvas e outros caras e outros ainda virão, ou não, mas o verão sim, ele eu já pressinto...
Mas comecei pelo ipê porque descobri que o ipê amarelo é uma árvore mágica por um amigo, agora do lado de lá do embate, mas ainda do lado de cá, talvez sempre, talvez nunca. Mais um encontro improvável na cidade maravilhosa, antes em Copacabana, agora na Lapa e dessa vez foi quase como um descarrego, um despacho, um exorcismo, embora já não estivesse há muito tempo dentro de mim e eu não consiga mais reconhecer aquela saskia de quatro anos atrás... foi estranho, foi bem estranho e eu queria saber porque eu tive a impressão que você queria me machucar... e olha que não sou mais a mesma masoquista sentimental de outros tempos, não mesmo... isso acabou definitivamente e realmente me senti absolutamente livre e vi que o resto é passado e isso é muito bom!
E estou muito obcecada por Koyanisqatsi, palavrinha hopi, vida fora de equilíbrio, vida que anseia por outra vida e não sei porque, mas eu andei pensando tanto nesse filme e olhando para ele na locadora e querendo pegá-lo para mostrar pros meus alunos e pra minha filha e revê-lo depois de tanto tempo e agora eu vejo que mexe tanto com meu espaçotempo atual... a sensação de estar na beirada, no limite, na fronteira de algo que não veio ainda e penso na minha filha e na irritação que sinto às vezes com ela e com todos ao redor e ao mesmo tempo na saudade de um tempo em que sabia que ainda era amada e mesmo assim sei que esse tempo agora é necessário e ela tem que me deixar e eu tenho que deixá-la ser livre de mim, mas é ruim e tento expulsá-la antes do fim...
E por que o bom e o belo não vem nunca e se vêm, por que demora tanto e começo acreditar que não virá mais, mas mesmo assim anseio pelo verão, pelo calor, pelos mares, ventos nordeste e saias e vestidos que usarei e por estar longe dessa vida que anseia outra vida e talvez um dia quando olhar pra trás eu possa me lembrar de um tempo em que ansiava por outro tempo, me lembrar de uma saskia que ansiava por ser outra e me lembrar do ipê amarelo que fica em frente à porta da minha casa e que quando ia ao quintal eu olhava pra ele e criava coragem e força ao perceber o quanto ele lutava para se tornar grande e alcançar o sol escondido pela outra árvore grande que toma conta da calçada em frente e este ano, meu ipê amarelo ainda não floriu, talvez não tenha mesmo que dar flores afora... não sei nada das florações das espécies, só aquilo que vejo quando rodo por aí de bicicleta ou de ônibus... mas espero pelas suas flores, que elas venham como o verão e por enquanto vou ouvindo a trilha de Koyanisqatsi em seu minimalismo espiralar e esperando, só esperando...

Um comentário:

Anônimo disse...

abacateiro, aguardaremos teu ato como nós somos no mato..do interior...do coração...

marvada carne...

abacateiro...
couve flor...

sexo é bom e eu gosto...
e gosto mais quando com amor...
amor com r...
carregado...
do interiorrrrrrrrrrrrrrrr

paulista ou não não sei...
flor, couve, sexo...
abacateiro